Os “super idosos” são indivíduos com 80 anos ou mais, que apresentam um desempenho melhor ou igual a pessoas entre 50 e 60 anos.

Por Emanuele Fonseca, com informações de Merlen Grellert, Notícias Adventistas

Sabe aquele(a) senhor(a) de cabelos branquinhos, ativo(a), de raciocínio rápido, que você conhece e tanto admira? Se sim, você identificou um “super idoso”. 

Segundo pesquisadores, super idosos são indivíduos com 80 anos ou mais que, diante de um teste cognitivo, apresentam um desempenho melhor ou igual a pessoas entre 50 e 60 anos. São lúcidos, ativos e permanecem contribuindo com a sociedade que convivem. 

Mas, você já parou para pensar o que faz esses indivíduos manterem-se saudáveis ao longo do tempo? Acompanhe a seguir 6 tópicos que estudos apontaram como sendo características importantes desses idosos. 

1 – Boas relações familiares e sociais

Ser bem humorado e desenvolver uma boa convivência com familiares, amigos, colegas de trabalho ou até mesmo aquele vizinho que não parece tão amigável irá fazer toda diferença na sua vida. Atitudes como essas reduzem os níveis de stress e possibilitam ao corpo liberar substâncias responsáveis pela sensação de bem estar e prazer. Foi observado que, em geral, super idosos apresentam uma boa convivência e um bom suporte social. Sendo assim, preservar essas relações pode contribuir para manter a mente em forma ao longo do tempo. 

2 – Exercitar o cérebro

Isso pode ser feito a partir de leituras, memorização de versos bíblicos e escrita, exemplo: através de um diário (para pessoas que têm dificuldades em dizer o que sentem), poesias, pensamentos e orações. Realizar atividades manuais como: tricô, crochê e costura, ajudam também a exercitar o cérebro.  

Super idosos são grandes leitores e aplicam suas leituras no seu cotidiano, seja por meio de ações ou ensinando aos menos experientes. Um bom exemplo desse tipo de atividade é participar de um grupo de estudo, pois compartilhar conhecimentos e pensamentos adquiridos ajuda o cérebro a manter-se ativo e consolida as informações. 

3 – Alimentação saudável

Segundo pesquisadores os super idosos mantém uma alimentação equilibrada ao longo da vida. Sua alimentação é baseada principalmente em alimentos naturais: como frutas, legumes, verduras e alimentos integrais. 

4 – Comer com satisfação

Pode parecer a mesma coisa que o tópico anterior, mas comer com satisfação significa separar um tempo de qualidade para esse momento. Comer com prazer, em boa companhia, num lugar agradável, também influencia na performance cognitiva dos super idosos. De acordo com a nutricionista Merlen Grellert, comer dessa maneira faz com que a pessoa aproveite melhor os nutrientes, consuma apenas o necessário e evite exageros, possibilitando a manutenção de um peso saudável ao longo da vida.

5 – Atividade física

Super idosos são ativos. E foram ativos durante a maior parte de suas vidas. A atividade física contribui para a oxigenação cerebral e faz com que substâncias que dão satisfação sejam liberadas no organismo, contribuindo para a saúde mental. Atividades simples, como jardinagem, têm esse mesmo efeito.

6 – Resiliência

A capacidade de adaptar-se a novas situações (muitas vezes desagradáveis), é mais uma das características apontadas por estudo das pessoas que chegam a melhor idade com uma mente saudável. Então, encarar as adversidades da vida de frente e de forma positiva parece ser uma boa ideia para quem quer ter uma velhice saudável. 

Infelizmente, os super idosos ainda são minoria. Apenas 10% das pessoas que atingem a idade de 80 anos podem ser assim classificadas. Esses índices podem ser aumentados se os tópicos apresentados forem aplicados desde a tenra idade.

Na Bíblia, o sábio Salomão, no livro de Provérbios, afirma que o que for ensinado à criança será lembrado na velhice. Da mesma forma, os pesquisadores Roger B. McDonald e Rodney C. Ruh, em seu artigo sobre envelhecimento e longevidade, afirmam que as recomendações aplicadas aos super idosos terão mais eficácia se forem adotadas pela população jovem, e mantidas ao longo de uma vida.

Ao ler este texto você já está dando o primeiro passo na caminhada rumo à velhice saudável (exercitando o cérebro), porém, aplicando as recomendações em sua vida e ensinando as novas gerações, aumentará a chance dessa recomendação ser realmente efetiva. 

Referências

BORELLI, Wyllians Vendramini et al. Operationalized definition of older adults with high cognitive performance. Dementia & Neuropsychologia, [s.l.], v. 12, n. 3, p.221-227, set. 2018. FapUNIFESP.

CALIL, Silvia R.b. et al. Adherence to the Mediterranean and MIND diets is associated with better cognition in healthy seniors but not in MCI or AD. Clinical Nutrition Espen, [s.l.], v. 28, p.201-207, dez. 2018. Elsevier BV.

MCDONALD, Roger B.; RUHE, Rodney C.. Aging and Longevity: Why Knowing the Difference Is Important to Nutrition Research. Nutrients, [s.l.], v. 3, n. 3, p.274-282, 28 fev. 2011. M

Category
Tags
No Tag

Comments are closed

Clínica Médica
A Clínica Médica é a especialidade da Medicina focada no diagnóstico e tratamento clínico das patologias em adultos, ou seja, sem cirurgia.
Ver Mais >
Dermatologia
É a especialidade que realiza o diagnóstico e tratamento das doenças da pele, cabelos, unhas e mucosas.
Ver Mais >
Oftalmologia
A oftalmologia é uma especialidade da medicina que estuda e trata as doenças relacionadas ao olho, à refração e aos olhos e seus anexos.
Ver Mais >
Análises Clínicas
A análise clínica é o ramo de conhecimento que trabalha com o estudo de alguma substância de forma a coletar dados e apontar diagnósticos a respeito da saúde do paciente.
Ver Mais >
Psicologia
É a especialidade que realiza o estudo científico do pensamento, da percepção, da emoção, da aprendizagem e do comportamento dos seres humanos com o ambiente físico e social.
Ver Mais >
Ginecologia e Obstetrícia
É a especialidade que cuida da saúde da mulher a da gestante, incluindo acompanhamento pré-natal e parto.
Ver Mais >